Você Comete esse ERRO ao dizer GRATIDÃO?

Eu estava num evento e um cara chegou perto de mim e me abraçou. E depois me falou: “Pô, Bruno, obrigado, obrigado. Você mudou minha vida. Eu cresci, e agora tenho uma empresa…”

Aí eu falei: “Pô legal”. No que ele prontamente respondeu: “Bruno, eu assisti os seus cursos de design e eu cresci graças a você, mas assim, TODOS os cursos que eu fiz seus foram piratas”. E aí eu pergunto a você: “Que gratidão tem esse cidadão pelo meu trabalho?”

É importante que se entenda o seguinte. Principalmente a galera que vê o dinheiro, infelizmente, como algo sujo. Eu tenho aqui R$ 25. Alguém trabalhou por esses R$ 25 em algum momento. Materializaram tempo de trabalho em notas de dinheiro, vários papéis e mandaram para mim. E para que? Para que eu possa pegar o meu tempo de trabalho e mandar para vocês. De forma transformada, você pega esses papéis, me entrega e eu transformo isso em tempo.

Por exemplo, eu posso estar segunda-feira,  numa Live às 20:26 graças a esses papéis que as pessoas mandam para mim. Eu pergunto a você o seguinte: “Doar o seu tempo de vida para uma pessoa que você admira, que você acredita que merece e que pode lhe entregar de volta algo muito maior do que esse tempo de vida que você trabalhou, para que você possa ter um tempo de vida melhor aproveitado. Isso não é a melhor forma de agradecimento?” Isso não é a melhor forma de dar um “Obrigado”?

Não estamos vendo o dinheiro como algo sujo. O que acontece? O pessoal que trabalha comigo sabe disso, mas hoje eu tenho a oportunidade e sabe da minha felicidade de poder ter contato com pessoas que eu sou fã. E que eu estou em contato com elas para fazer trabalhos. Pessoas famosas… Eu falei para a minha esposa: “Olha que interessante, eu sempre gostei desse cara. Sempre o admirei desde o tempo de faculdade. Hoje eu estou em contato com esse cara, pedindo um orçamento para ele, para ele me mandar um valor. Ele me mandou um valor, do tempo dele para ele fazer o trabalho que eu estou precisando”. Foi quando pensei: “Caraca, agora eu vou poder participar da vida dele porque eu vou pagar umas contas dele”. Olha que fantástico!!! Imagina você poder pagar as contas de uma pessoa que você admira. Então, eu posso pegar o meu dinheiro e pagar umas contas dele e assim participar da vida dele. Esse cara vai ser grato eternamente por mim, ele vai me ver de uma forma completamente diferente. Eu não vou ser só simplesmente um fã que vai chegar lá e vai abraçar. Eu estou contratando o cara. Eu, atualmente, estou fazendo o evento do SER NOTÁVEL AO VIVO, e eu vou entrar em contato com várias pessoas que eu admiro. E o melhor: eu vou contratá-las! E para mim isso é uma forma de agradecê-las.

Então essa é uma visão nova do dinheiro para muita gente. Você pegar o dinheiro e agradecer.

Então, chega um cidadão e fala para mim: “Pô, obrigado, Bruno, porque você me ajudou”. E completa depois: “Eu não comprei de você, eu comprei de um pirata”. Que agradecimento é esse? Era para o cara ter muita vergonha, não acha? Pois é.

Mas te digo que isso não é nem por culpa dele não, esse tipo de pessoa não faz isso consciente. É porque ele não tem essa visão do que é o dinheiro. Quando você passa a ter essa visão, você você chega e fala: “Olha, o valor é tanto. Tô fazendo isso, posso te ajudar”.

“Ó, tem uma mentoria, o valor é esse. Posso fazer para você por tanto. Você é meu amigo, você está comigo.”

Fale, converse, esse é o seu trabalho.

Para você ter uma ideia, quando eu vou contratar um trabalho de algum amigo meu, um fotógrafo, por exemplo, não um cara que está no mercado e que pode me ajudar, eu falo: “Cara, tira umas fotos minhas?”, aí ele responde: “Não, Bruno…”.

Eu pergunto: “Quanto é que é?”, no que ele me responde: “Não, Bruno, não vou te cobrar”.

“Cara, eu faço questão, eu tenho o maior prazer de poder pagar você. Me cobra como se fosse um cliente normal seu. Porque eu quero poder cobrar de você, eu quero que você dê o seu melhor para mim e você merece. Você merece!”

Entendeu? Então quando você entende isso, muda completamente. Tanto a forma de você bonificar as pessoas como a forma de você cobrar porque você entende que é a melhor forma de elogio do seu trabalho. Da pessoa ser grata a você, de você poder mostrar o seu melhor, porque você tem conta para pagar.

Infelizmente não existe o Cartão Gratidão. Então você precisa de dinheiro. Olha só, meu filho chegou perto de mim e disse: “Papai, compra uma pipoca”. “Opa, eu tenho aqui o Cartão Gratidão. Eu vou comprar. Aceita, pipoqueiro?” “Não, eu aceito R$ 5”. “Então tá aqui, o Cartão Gratidão, ó. Tá aqui, toma o Cartão Gratidão”. E lhe entrego uma nota de R$ 5.

Ajude os outros a ganhar dinheiro, ganhe dinheiro também por conta disso e assim todos nós crescemos.

“Assista o vídeo deste artigo no Youtube”

Bruno Ávila

Bruno Ávila é publicitário e pós-graduado em Marketing Digital pela Fundação Getúlio Vargas. Abriu sua própria agência em 1997, atendendo grandes clientes brasileiros. De 2001 a 2003 foi diretor de criação web do Grupo de Comunicação O Povo. Foi ganhador de três prêmios IBest, maior prêmio da Internet brasileira. Há 10 anos dirige a Ávila EAD, empresa voltada para soluções em educação a distância. Ministra cursos específicos sobre Design, Publicidade, Marketing e Empreendedorismo por onde já passaram mais de 15 mil alunos. Bruno é autor dos livros "As 8 Estratégias para Ser Notável" e "Como Ganhar Dinheiro com Cursos Online".

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Fechar Menu